Ecos Urbanos – Aprovação – Projeto Lugares de Encontro – Programa Cidadãos Ativ@s – Fundação Calouste Gulbenkian

ECOS URBANOS – APROVAÇÃO PROJETO LUGARES DE ENCONTRO – PROGRAMA CIDADÃOS ATIV@S – FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN 

O projeto Lugares de Encontro, foi um dos selecionados e a nossa associação vai integrar a lista das 15  instituições financiadas no âmbito do Eixo 3 – Empoderar Grupos Vulneráveis do Programa Cidadãos Ativ@s.

Com uma duração prevista de 28 meses, visa apoiar 70 famílias monoparentais do concelho de S. João da Madeira, em situação socioeconómica vulnerável e tem data prevista de arranque o próximo dia a 1 de junho.

Tem como principais atividades a criação de uma rede de apoio para as mães com desenvolvimento em diversas atividades que permitam dar-lhes confiança, auto-estima e centradas na cidadania ativa.

O projeto “Lugares de Encontro” terá como entidades parceiras:

Sobre as Entidades Financiadoras:

A Fundação Calouste Gulbenkian, em consórcio com a Fundação Bissaya Barreto, foi selecionada para gerir em Portugal o Active Citizens Fund, componente dos EEA Grants especificamente destinada a apoiar as Organizações Não Governamentais (ONG).

Foi assim criado o Programa Cidadãos Ativ@s, financiado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega, com uma dotação de 11 milhões de euros, a ser implementado ao longo do período 2018-2024, e que se destina a apoiar a Sociedade Civil em Portugal.

BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO

O projeto Lugares de Encontro será um espaço tempo de empoderamento de 50 famílias monoparentais, em particular, mulheres que pela vulnerabilidade socioeconómica em que se encontram e com filhos/as menores a seu exclusivo encargo, se sentem vulneráveis.

Através deste projeto será possível fortalecer o seu sistema imunitário social pela participação em oficinas semanais, com vista ao auto-conhecimento, ao auto-cuidado, à auto-estima, ao lazer e à criação de laços, que garanta um carácter continuo e potencialmente transformador.

Em simultâneo irão decorrer oficinas criativas para os/as seus/suas filhos/as, de forma a garantir o suporte familiar necessário e proporcionando-lhes uma exploração da sensibilidade artística de forma continua, num programa desenhado à medida.

O projeto pretende ainda servir de reflexão sobre a abordagem metodológica desenvolvida com base na estética do oprimido e na experimentação multidisciplinar artística e cultural continua como ferramentas de capacitação de grupos vulneráveis em geral.

Partilha: