Category: ECOS ROCK

ECOS ROCK REGRESSO EM GRANDE

Após um ano de interregno a deixar saudades, o Ecos Rock voltou a compor a Sala dos Fornos da Oliva Creative Factory para celebrar a música alternativa regional, pintando o recinto e o público de diferentes cores ao longo de uma entusiasmante noite, que abriu com Isac. O ex-BetterShell deu o pontapé-de-saída com uma breve performance de pop rock mais adulto-contemporânea, que já aqueceu bem o público que ia chegando.

De seguida, os The Burgundy’s Tie trouxeram carisma anexado aos coletes e gravatas, num post-grunge com tanta garra quanta simpatia. Introduziram músculo às guitarras e agitaram já os primeiros corpos da noite.

A língua portuguesa voltou ao Ecos Rock com os Sardinha Também É Peixe, cujas agradáveis melodias e boa disposição já fizeram a plateia, a quem pediam participação activa, crescer. Também o seu fecho foi bem-humorado, em tom de mini-medley inserido na canção. Se quiserem ouvir os New Radicals e as Spice Girls na mesma fracção de segundos, peçam aos Sardinha Também É Peixe.

Uma das introduções da noite ficaria para a “chamada telefónica” do Presidente Marcelo aos Rita Lina, que trouxeram a língua mais afiada da noite e as fortes influências de Manel Cruz na voz e de Mão Morta (mais evidente na narrativa de “Uma Bomba”) para um concerto no qual não queriam dar só música e projecção de imagens; também queriam uma forte mensagem a ser transmitida através daquele megafone.

Não se arranjou Howard Finkel, mas arranjou-se Carlos “Matador” Almeida, ícone do cenário de peso Sanjoanense, como ring announcer dos “World Heavyweight Hardcore Champions.” E como também não se arranjou Mick Foley, há os Take Back e esse cinto fica bem entregue. O hardcore já foi género que produziu em catadupa em São João da Madeira, agora com menos fluxo, mas o tal título não fica entregue aos Take Back apenas por qualquer falta de concorrência e a sua explosiva performance comprova isso. Causadores do maior frenesim da noite e a banda com a maior presença em palco. Abraçam as suas referências locais – chamando Daniel “Sick” Pereira, que não se deixa ganhar muita saudade do palco, com os seus Setup the Breakdown e As They Come em hiato – e fazem ansiar um sucessor do auto-intitulado EP, para garantir mais defesas do título com sucesso.

Seguem-se os Redemptus, já nada estranhos a palcos maiores por todo o país e a reconhecimento internacional. Não dispensam o regresso a casa e a causa nobre que moveu o evento. O que se seguiu foi hipnose total. A boa onda de bandas anteriores já tinha sido sugada pelas trevas e instalou-se uma obscura catarse apoteótica, através dos riffs arrastados e cavernosos, enquanto se debitavam temas do mais recente “Every Red Heart Fades to Black.” Estrelas da noite, como esperado.

O fecho ficou a cargo dos Voyance, que realçavam a disparidade do evento. Se havia romantismo ao início com Isac, agora restava o “Grind Love” dos Serrabulho, aqui representados nas t-shirts de membros dos Voyance. Foi também o seu principal obstáculo, ao restar-lhes um público mais reduzido e cansado, além de falhas de som que chegou a obrigá-los a parar. Nada que alterasse a descontracção do vocalista Aristides Reis, que regularmente questionava a própria necessidade de anunciar os títulos dos temas. Trouxeram vozes à Aborted, discretas melodias à Exhumed e uma chinfrineira capaz de despertar a curiosidade de uns Benighted. Para esgotar as energias que restassem, a todo o gás.

Com uma boa causa, um bom ambiente e um bom serão multifacetado a expor que nas garagens de São João da Madeira há talento e versatilidade, louva-se a insistência na organização do Ecos Rock e espera-se por uma próxima edição, que nos garanta mais uma grande dose compacta de bons concertos. Até uma próxima!

texto de: Christopher J.R.Monteiro

ECOS ROCK REGRESSA A 9 DE FEVEREIRO COM UM CARTAZ CHEIO DE POWER

SALA DOS FORNOS – OLIVA CREATIVE FACTORY – S. JOÃO DA MADEIRA

Preparados para uma noitada de rock? O Ecos Rock regressa no próximo dia 9 de fevereiro para a sua 10ª edição, que se realiza na Sala dos Fornos da Oliva Creative Factory, em S. João da Madeira. Depois de um ano de interregno, o mítico festival de bandas de garagem de sanjoanenses, promovido pela Ecos Urbanos em co-organização com a Câmara Municipal, volta em formato mais concentrado – 7 bandas, um noite!

Música rock, metal, hardcore, indie ou experimental, é uma noite para não perder!

Isac irá abrir a noite, iniciou o seu percurso musical aos 12 ano, foi como vocalista dos BetterShell e dos METTA, compôs e escreveu inúmeras músicas para as bandas por onde tem passado. Com elas venceu vários prémios e partilhou o palco com mais de uma dezena de artistas reconhecidos a nível nacional e internacional…

Segue-se The Burgundy’s Tie é um recente projeto de músicas originais de estilo rock alternativo cuja formação atual conta com 4 amigos oriundos de Santa Maria da Feira com ligações secretas a S. João da Madeira;

Depois, um saboroso descompromisso musical com STeP – Sardinha Também É Peixe. “Sustentada pelos pilares da música e mistério, esta – vamos chamar-lhe – coisa rege-se pela intemporalidade categórica que é O Acaso”.

A Rita Lina apresenta-se como um coletivo musical “economicamente inviável”, apresenta-nos “melodias são uma variedade de maturação tardia, com elevada densidade, garante duma resistência adequada ao momento musical atual”. “Em palco pretende dar corpo a devaneios densos, sólidos e duradouros.”

Para iniciar a reta final, os Take Back, a nova banda de Hard Metal está pronta para a continuação deste galope acústico, Rui Andrade na voz, Carlos Ferreira e Fábio Fabz nas guitarras, Cláudio Pinho no baixo e Rúben Vides na bateria, irão apresentar-nos música 100% feita em S. João da Madeira.

Chegam os Redemptus, são um trio sludge\post-metal, com o seu caminho já bem traçado no panorama underground! Com várias tournés nacionais e internacionais no seu currículo, voltam ao Ecos Rock para nos presentearem com mais uma das suas já habituais tempestades!

Para fechar a noite, Voyance, repetentes do Ecos Rock, deambulam por entre o death metal e o grind, com tendência para fugir ao protocolo imposto pelos géneros e uma manifesta falta de paciência para tocar devagar.

O bilhete custa 4 euros e os proveitos revertem para a campanha “Apadrinha Esta Ideia”, campanha de Angariação de Fundos para apoio alimentar a famílias do concelho economicamente vulneráveis.

Bandas:
Voyance
Redemptus
Take Back
Rita Lina
STéP l Sardinha Também é Peixe
The Burgundy’s Tie
Isac

Informações gerais:
Localização: vai ser AQUI
Início: 21h 30m
Bilheteira: Abertura às 21h
(encerra 15m depois do início do concerto da última banda)
Bilhete: 4€/entrada
(não temos multibanco)
Causa social a apoiar:
Campanha Apadrinhe Esta Ideia

O Ecos Rock regressa nos próximos dias 3 e 4 de Fevereiro, para a sua 9ª edição, que se realiza na Sala dos Fornos da Oliva Creative Factory, em S. João da Madeira.

O festival de bandas sanjoanenses, organizado pelos Ecos Urbanos, volta para duas noites de arromba, no ano em que os Ecos Urbanos comemoram 20 anos, idade para já se saber ouvir grande rock!

Sexta-feira, dia 3, promete ser uma noite de peso! Pelas 22h, são os estreantes The Gravediggers a abrir as hostilidades em modo heavy metal, seguem-se os Voyance a abrir o death Metal e o grind, os One Step to Fall, vão puxando pela noite de metal alternativo, fecham a noite os Soul of Anubis, banda já com 6 anos de experiência, dentro do espectro do metal progressivo.

Sábado, dia 4,  é mais tranquilo, navegaremos pelo indie rock, o folk, e o mistério… Os concertos começam às 22h, com duas bandas de estreia no ecos rock: a música descomprometida de Sardinha Também é Peixe, e os 8mm que prometem fazer –nos dançar até o corpo pedir clemência. Rita Lina irá apresentar o seu trabalho mais recente de estúdio, o EP Tinto Cão.  e a noite termina com The Black Chakra no seu psychedelic rock.

O Ecos Rock procura promover os jovens músicos sanjoanenses assim como incentivar a criação artística no concelho, numa lógica de corresponsabilização pelo sucesso do festival, que é feito desde o primeiro dia com o envolvimento directo das bandas. Aliás este festival garante uma boa representatividade do panorama musical, rock, do concelho, todos os anos actualizado.

O bilhete diário custa 2 euros e o passe para os dois dias, 3 euros. A Associação Ecos Urbanos oferece 50% de desconto nos bilhetes aos estudantes do concelho, numa lógica de estímulo da cultura musical e de angariação de novos públicos para a música. Esse é um dos propósitos de existência do Ecos rock, desde a sua primeira edição, em 2006.

A Câmara Municipal de S. João da Madeira é co-organizadora e a Oliva Creative Factory é um parceiro estratégico do evento.

Dia 3 de Fevereiro

 

the gravediggers

São uma banda de Heavy Metal de Vila Cova, que faz de S. João da Madeira a sua segunda casa. A banda surge oficialmente no início de 2015, as suas influencias provêm dos Metallica, Dream Theater , Slipknot , Lamb of God , Children of Bodom, Sepultura, Cannibal Corpse,…prometem abrir as hostilidades deste Ecos Rock de pé direito à frente e de guitarra em riste!

Elementos

  • Carlos Pinho – Bateria
  • Carlos Cardoso – Guitarra base
  • Ricardo Almeida – voz
  • Alexis Pinho – Guitarra
  • Márcio Pinho – baixo

 

voyance

Os Voyance são uma banda oriunda de S. João da Madeira, formada no final de 2013. Praticam um death-metal com bastante velocidade, ou um grindcore com bastante groove, dependendo da perspectiva, sendo influenciados principalmente por si próprios, pelo constante desafio e superação. Os gostos pessoais de cada elemento são demasiado díspares para se apontar uma banda que tenha influenciado o estilo dos Voyance, mas se tiver que se apontar um perfil transversal a todos, será a falta de paciência para tocar devagar.

Elementos:

  • Aristides Reis – Voz
  • Daniel Malheiro – Guitarra
  • João Ferraz – Guitarra
  • Pedro Laginha – Baixo
  • Pedro Pereira – Bateria

+ info: facebook e bandcamp

 

 

onte step to fall

One Step To Fall é uma banda de São João da Madeira de Metal Alternativo com tendências para o Metalcore. Projeto criado em Maio de 2012 que conta com Diogo Pardal como vocalista, António Deville na guitarra, Tiago Carvalho no baixo, e Rúben Moreira na bateria e em Maio de 2013 com Diogo Carvalho na guitarra rítmica. One Step To Fall tem ambições bem vincadas.

O estilo musical, com influências de bandas como August Burns Red, Blessthefall, Parkway Drive e Stick To Your Guns, tem também traços bem caracterizantes, conferindo à banda um estilo vocal bastante versátil, alternando entre voz limpa e voz berrada, poderosos breakdowns e refrões com letras bem marcantes. A paixão demonstrada em palco pelos 5 elementos é contagiante, pelo que abre boas perspectivas para o futuro desta jovem banda.

Elementos:

  • Diogo Alexandre Oliveira Pardal – Voz
  • António Bernardo Deville Amaro – Guitarra
  • Diogo Messias Almeida Carvalho – Guitarra Ritmica
  • Tiago Messias Almeida Carvalho – Baixo
  • Ruben António de Oliveira Gírio Moreira – Bateria

+ info: facebook e soundcloud 

 

soul of anubis

Os Soul of Anubis são uma banda de metal portuguesa. A banda foi formada em 2010, por Pedro (bateria), Speeds (baixo) e Ferrão (guitarra e voz). Em Janeiro de 2011, os Soul of Anubis lançam a primeira demo, intitulada “First Passage”. Em Agosto de 2013, lançam uma EP intitulada “Alone” e percorreram alguns palcos nacionais. Em 2016 é editado o primeiro álbum, “The Monster Among Us”, onde tem tido boa resposta perante as pessoas.

As influências da banda seguem os Deftones, Mastodon, High on Fire, etc., sendo a amizade bastante vinculado na presença do trio em palco.

Elementos:

  • Hugo Ferrão – Voz/Guitarra
  • Pedro Silva  – Bateria
  • Filipe Almeida – Baixo

+ info: facebook e youtube

 

Dia 4 de Fevereiro

8mm

A história de dois amigos que se encontram no mítico bar Taberna 66 em Santa Maria da feira, num sábado ou sexta de Agosto de 2014. Encontro que os leva a juntarem-se para brincar com a música. De letras aos potes e de acordes gratuitos, os dois amigos apaixonam-se pelo projeto, levando logo à procura de um outro elemento, por sua vez, amigo do meu amigo.

… Já tínhamos voz, ruído e batida, faltava o corpo. Entra o amigo que não era amigo de ninguém… assim nascem os 8mm!

O Joker (Batman – O Cavaleiro das Trevas), “Alex” (Laranja Mecânica), “Eric Draven” (O Corvo) e William Wallace (Braveheart). São estes os quatro amigos desmaterializados nestas personagens. Na hora do palco tudo deriva de uma serie de fatores que são parecidos com a vida… é hora de dançar até a alma pedir clemência!

O que poderá acontecer? Só o tempo nos revela!

Elementos:

  • Alex: Bateria
  • William Wallace: Voz
  • Joker: Baixo
  • Eric Draven: Guitarra

+ info: youtube  

 

sardinha também é peixe

Sardinha Também É Peixe assenta nesta única e irrevogável premissa: porque sim. Sustentada pelos pilares da música e mistério, esta – vamos chamar-lhe – coisa rege-se pela intemporalidade categórica que é O Acaso, admitindo que todo o fortuito fruto que cai desta árvore não procura um particular significado. Cada um retira o que quiser.

O que realmente se pode inferir é que, mais do que tudo o que estas inócuas palavras possam significar, Sardinha Também É Peixe representa tudo menos compromisso – é o que for, quando der, se apetecer.

Esse é o compromisso.

Elementos:

  • André Barbosa – voz e guitarras
  • Nuno Tavares – Baixo
  • Tiago oliveira – Bateria

+ info: facebook e soundcloud 

 

Black Chakra

Os The Black Chakra são uma banda de rock, oriunda de São João da Madeira e formada em 2012. Imprimem complexidade melódica e estrutural na composição dos seus temas, convidando todos os que escutam a uma viagem intensa, impressiva e introspectiva pelo rock.

Elementos:

  • João Isidro – Voz, Guitarra
  • Marco Silva – Bateria, Percussão
  • Pedro Almeida – Baixo
  • Pedro Duarte – Guitarra

+ info:  facebook e bandcamp

rita lina

 

A Rita Lina apresenta-se como um colectivo musical economicamente inviável, oferecendo uma produtividade incrivelmente baixa o que deixa a sua sobrevivência, orgulhosamente, em risco (desde o movimento multifacetado da metrópole que raramente foram vistos fora d`horas). As suas melodias são uma variedade de maturação tardia, com elevada densidade, garante duma resistência adequada ao momento musical actual. O EP Tinto Cão evidencia a teimosia do Colectivo, visível no desequilíbrio imperfeito entre letras taninas, guitarras acídulas, baixos nutridos, baterias grossas e teclados suaves. Em palco pretende dar corpo a devaneios densos, sólidos e duradouros. Para melhor degustação auditiva, a Rita Lina aconselha a ingestão desmoderada de destilados artesanais.

Elementos:

  • Gustavo Bastos – Voz
  • Ricardo Silva – Baixo
  • Vítor Oliveira – Guitarra, teclas
  • Jorge Martins – Guitarra
  • Francisco Martins (aka Chico) – Bateria
  • Reis – Guitarra

+ info: Rita Lina

 

cartaz ecos rock 2017

Ecos Rock 2017 – 03 e 04 de Fevereiro – Sala dos Fornos – Oliva Creative Factory

É já no próximo dia 03 e 04 de Fevereiro, que se vai realizar na sala dos Fornos na Oliva Creative Factory, a edição Ecos Rock 2017. 

Marca já na tua agenda o evento.

Apresentamos o alinhamento para os diferentes dias:

Dia 3, Sexta-feira
4ª: Soul of Anubis
3ª: One Step to Fall
2ª: Voyance
1ª: The Gradiggers

Dia 4, Sábado 
4ª: The Black Chakra
3ª: Rita Lina
2ª: 8mm
1ª: Sardinha também é Peixe

Bilhetes: 1 dia – 2€ e 2 dias – 3€  | 50% desconto para os estudantes das escolas do concelho de S. João da Madeira

Para mais informações contacta-nos.
Associação de Jovens Ecos Urbanos – Avenida Dr. Renato Araújo, 441, 1º piso – 3700-244 S. João da Madeia
Telefones: 256824532 | 969849744 |geral@ecosurbanos.pt 

2ª a 6ª das 09h às 13h e das 13h 30m às 17h 30m

cartaz ecos rock 2017